sábado, 25 de março de 2017

Todo Sujo de Azul



“Sujar as mãos de azul”

Acho isso tão besta, tão bobinho,
mas permito, porque faz sentido,
se não pra mais ninguém,
pra mim.

No começo, tava pensando
em usar “chafurdar” em vez
de “sujar”, pra dar aquela ideia
de exagero e perda do limite,

Preferi sujar, porque lembra
infância em que brincar,
sujava

Então, o “sujar” não tem só o
sentido de ficar sujo, mas
de se misturar ao barro
da infância, à manga
mastigada no pé,

Também já usei “se sujar de azul”,
e quis dizer com isso se sujar inteiro,
não só o corpo, mas o que ele
guarda,

E azul pra mim é céu,
mas não só céu, também mar,
mas também imensidão, sonho,
voo, fantasia,

Todos esses sopros efêmeros
e deslumbrantes que borrifam
milagres em nossos olhos
apagados,

Se sujar de azul é se deixar
manchar de fantástico,

Pensei então, num pintor
pintando um quadro
todo céu, a aquarela
cheia de tons de azul

E as mãos dele, as mesmas
do trabalho, todas sujas,
pintadas de azul,

Na minha imaginação
isso é bonito, penso em mãos
cansadas, calejadas, doídas,
por um momento de novo
vivas e alegres pintando
um céu

E o azul seria um azul inexistente,
aquele azul que a gente lembra
quando o dia tá nublado, lembra
e de vez em quando, sente
falta,

Mas é por isso, por causa do
pintor imaginário e suas mãos
manejando o azul,

Eu brinco com o azul e também
sujo as mãos nele, eu mergulho
nele e me sujo inteiro,

Sou um daqueles caras
do blue man group
Heheheheheh

Eu sei, eu também me sinto
muito pós-moderno escrevendo
uma poesia sobre poesia, faz sentido,
não faz sentido, penso, logo, isto
dispenso, logo, aquilo...

Tem mais...

“Sujando as mãos de azul
pra compensar os pés
no pó escuro do chão”,

Que também podia ser:
“sujando as mãos de azul
pra compensar os pés
no chão”

Pés no chão,
entendeu?

De resto:

Azul é céu,
é mar,
imensidão

E chão
é NÃO!




                                                                                  
Gostou?
Então, azula aí no compartilhamento.
Valeu!

sábado, 18 de março de 2017

Vem Ni Mim Armagedom!



Pelo menos uma vez por ano
aparece uma profecia dizendo
que o mundo vai acabar,

Um meteoro, pane geral dos
computadores, uma pandemia…
E por aí vai,

Mas
o mundo continua aí
inteiraço…

O pessoal até se anima,
se prepara pro dia,

E nada...

Até tem uma galera aí,
eu acho,
realmente esperando o fim do
mundo pra ter uma boa desculpa
pra enlouquecer,

Pra se
acabar mermo!

Pensa aí: se o pessoal
já curte como se não houvesse
amanhã, HAVENDO!!!,

Imagina, então,
na véspera do Fim
de Tudo… Magina!

Imagina só mais essa:
VEM NI MIM ARMAGEDOM!
- a festa,
todo mundo convidado

Fiquei até ansioso...
Heheheheheh

Por outro lado, acho que,
infelizmente,
por conta de todas as vezes
que disseram que era o fim,
mas não foi, muita gente vai
se enganar,

Como naquela história do lobo
que o menino, só pra sacanear,
diz que tá vindo

E quando vem,
ninguém acredita.

Talvez
o fim do mundo seja noticiado
e a gente até ria e continue a vida
normalmente
mais preocupados com o fim
do mês:

Seria foda, né?

Toda uma galera aí,
esperando
o fim do mundo ser anunciado
pra dar aquela enlouquecida
violenta

E aí, nem vão, porque vão
pensar que é só mais um
alarme falso.

De todo jeito, é melhor ver
o lado bom das coisas: muito pior
do que não aproveitar o fim
do mundo seria

Aproveitar de com força,
sobreviver,

E
o mundo

nem acabar.


Gostou?
Antes que o mundo acabe, compartilhe!!!
Valeu!

sábado, 11 de março de 2017

Lembrança de Voar






Ninguém pisa
o chão duro do real
só pra dar uma descansada,

Se a gente pudesse,
habitava os ares do fantástico
a vida inteira,

Mas não pode!

Uma hora ou outra,
todo mundo é derrubado
e tem que andar…

E só por isso,
anda.

Anda e leva
pra onde quer que vá
a memória viva de voar.

Eu penso em pássaros
que perderam as asas,
mas não os anseios pela
navegação dos ares,

E aí penso na gente
passando tanto tempo
com os olhos e os desejos
apontados pras alturas,

Perseguindo meios de sentir
de novo passear o corpo
o deslumbrante gozo
de dominar o azul.

A diferença é que
um pássaro que tenha
perdido as asas

Pode ter voado,
pelo menos uma vez,

Enquanto a gente,
que já se sentiu voando
e até lembra a sensação,

O que foi mais alto
não foi mais que
um salto.




                                                                     
Gostou?
Então, passe adiante.
Valeu!

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Tempos e Perspectivas




Tava no trabalho, tomando cafés
e terminando planilhas, bocejando forte
e muito arrependido de ter ido dormir
meia hora mais tarde,

Aí, comentei
com o Tonico:

Pra ver, né?
Um tempo atrás eu já taria
todo animado pro carnaval,
agora fico é preocupado
com os bebos que vão tá
na rua esses dias.

E aí, ele falou:

Antes,
a gente que era
os bebo, nera?

Rimos.

Sim, amigo leitor,
essa é mais uma daquelas
poesias que começam com
uma narrativa marota
sobre um evento cotidiano
qualquer

E acaba desembocando,
quase que magicamente, numa
oportunidade praquela boa e velha
crise existencial.

Vamos lá -

Poeta que sou, fiquei pensando
nisso, em como os tempos mudam
e a gente muda de lugar, avança,
recua, sobre, desce...

Ao longo do tempo a gente
vai ocupando espaços diferentes
dentro do mundo e é daí, desses
divers lugares que a gente vai tacando
os olhos nele.

Daí que ninguém precisa ir muito
longe pra perceber que existem
muitas perspectivas, é só pesquisar
em si mesmo.

Por exemplo:
lembro de tempos que eu tinha
ingenuidade e via o mundo ingênuo,
de tempos em que eu tinha sonhos
e via tantas possibilidades,

Lembro de tempos que eu tinha
raiva e via o mundo como um
grande alvo,

É assim mesmo,
o tempo vai passando
e a gente muda de olhos
e os olhos mudam
a gente.




                                                                                   
Gostou?

Então, não finja que não vi
e compartilhe pro mundo também
ver! Hehehehe

Valeu!

sábado, 26 de novembro de 2016

Voo de Pinguim





Seria
muito mais confortável
pro meu amor próprio
a manutenção de certas
fantasias,

Mas como é que eu ia
continuar acreditando
nas virtudes que não
tenho?

Se fosse pra acreditar
só por acreditar, até
que não seria difícil,
meu ego concordaria
fácil,

Ninguém acha ruim
um bom figurino.

Acontece que não
só acreditei, acreditei
e contei com as ficções
bonitas da vaidade,
como verdades.

Imagina um pinguim
acreditando que pode
voar e orgulhoso
disso.

Enquanto
ele não se jogar do alto
de algum lugar pra tentar
o voo, tudo bem,

Mas
eu era o pinguim
e me joguei!

Acho até que foi
por isso que desacreditei,
confiei que podia quando
não podia,

E não só confiei,
fui lá na beira do abismo
e tentei

E tentando, é claro:
me lasquei.

E me lascando,
reconheci porque
tive que reconhecer:
sou muito menor
do que pensava.

Sou menos capaz,
menos corajoso
e nobre, menos
altruísta, menos
forte,

Sou menos
do que pensava.

E isso
também quer dizer
que meu sonho de céu
não é difícil, como eu
imaginava,

É impossível!

Enquanto,
varo a cidade pra ir
trabalhar, vou pensando
nessas coisas sem susto,
com naturalidade,

Na época em que
cheguei, pela primeira vez,
a essa conclusão, fiquei
triste,

Foi como chegar
num cemitério

Um cemitério de esperanças
chegar e ver um pessoal
abrindo mais uma cova.

Mas agora,
não.

Não sei dizer
se teimosia é um defeito
ou uma qualidade, sei
que teimei

E que teimando
aprendi umas coisas:
uns exercícios bons pras pernas
e pras minhas asas de pinguim

E também que meu azul
não é dos céus, é o azul
dos mares.




                                                                   
Gostou?
Compartilhe.
Valeu!

sábado, 19 de novembro de 2016

Cara Inteirinha!!




Conheço gente
tão leve que nem
na areia deixa
pegada,

Gente balão:
um colorido risonho
quase pra estourar
de tanto nada.

Tem
gente abobalhada
de tanto que é feliz

E tem gente feliz
de tanto que é
abobalhada.

Tô falando
do segundo
tipo.

Eu olho e acho bom,
mas me preocupo
um pouco

E me preocupo
porque quebrar
uma cara toda
esbagaçada
já é ruim,

Imagina aí,
o que é quebrar
uma cara ainda
inteirinha!





                                                      
Gostou?
Então, não se faça de besta,
compartilhe!
Valeu!



sábado, 12 de novembro de 2016

Sobre Coragem




Só  dá pra falar
de coragem,
depois do medo

Antes do medo
não, porque não
há coragem,

Há qualquer outra
coisa que a gente
pode chamar de

Temeridade,
ousadia,
imprudência,

Mas não
coragem.

Antes do medo
a carne não intui
a angústia

Porque ainda
não sabe que
sangra

E no que dá
sangrar.

Só depois do medo,
a boca quer sempre
se calar pra escapar
ao risco da fala,

Só depois do medo,
os pés querem mudar
a direção dos passos
pra fugir

Só depois do medo,
as mãos querem se juntar
pra suplicar a misericórdia
do carrasco,

Só depois do medo,
cada anseio que
se torna ato

É um possível
desastre a enfrentar,

Coragem
é saber disso,
é sentir isso

E continuar.



                                                   
Gostou?
Pois enfrente o medo
e compartilhar.
Valeu!